Carregando...

Ana Maria aprendeu a cantar com Inezita Barroso; Seu Anor, ou Marquinho da Viola, como gosta de ser chamado, aprendeu com a vida. Ele com seus 87 anos, ela com 76. Marquinho da Viola e Dona Ana Maria são mineiros e compõem juntos música sertaneja de raiz. “Estou aqui não é por buniteza, não é pra aparecer, é pra dar alegria para o povo, e o povo traz alegria pra gente. Seja rico, seja pobre, seja de todo jeito”, diz Ana Maria. Cantam juntos, em uníssono, mas é ele, com as unhas compridas da mão direita, que ponteia com firmeza a viola. As vozes ainda potentes entoam com orgulho a moda. No Brasil, a viola caipira é um instrumento tradicional, ela é um pouco menor que um violão e tem 10 cordas dispostas em pares. “Tocar viola é coisa de tradição”, explica Marquinho. Começa a cair uma chuva fina, a garoa paulistana. O Viaduto Santa Ifigênia esvazia-se, os ambulantes recolhem seus produtos. Seu Anor amarra a caixa de som no carrinho, Ana Maria coloca a viola nas costas, eles dão as mãos e seguem em direção ao metrô, a jornada para casa é longa.

Ficha técnica

NOME: Anor Cândido Marques e Ana Maria da Silva Marques

NATURALIDADE: Minas Gerais

Músicas:

    1. Viola Minha Viola
    2. Mulher de Ninguém
    3. Solo

Influências:

  • Sertanejo de raiz
  • Inezita Barroso

Mapa

Artista registrado nesse endereço:
Não representa sua atual posição.